FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO MAMOEIRO THB

Nome: Letícia Abreu Simão
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/07/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Edilson Romais Schmildt Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Edilson Romais Schmildt Orientador
Ivoney Gontijo Examinador Interno
José Augusto Teixeira do Amaral Examinador Externo
Omar Schmildt Examinador Interno

Resumo: O Brasil é um dos principais produtores e exportadores de mamão. Os principais estados brasileiros produtores de mamão, são Bahia e Espírito Santo, os quais são responsáveis por cerca de 60% da produção nacional. O uso de fertilizante de liberação controlada é pouco utilizado a campo no estado do Espírito Santo, principalmente para plantas frutíferas. No Estado, ele tem sido aplicado na cultura do eucalipto. O uso destes tipos fertilizantes, tem como uma das principais vantagens a
redução de mão-de-obra para fertilizações de cobertura. Nestes fertilizantes, a liberação de nutrientes é dependente do tamanho do grânulo, temperatura e umidade. Os nutrientes são disponibilizados por hidrólise e pela ação de microrganismos. Objetivou-se neste trabalho avaliar a eficiência de fertilizantes de liberação controlada no crescimento e desenvolvimento de plantas de mamoeiro „THB‟ na fase vegetativa e produtiva, usando os fertilizantes Basacote P-MAX 6M
(Fórmula 17-43-00)®, Basacote NK-MAX 9M (Fórmula 17-43-00)® e DuraTec Top 14 (Fórmula 14-07-14)®. O experimento foi realizado entre junho de 2015 a novembro de 2016, a campo, na fazenda Santa Terezinha, da Caliman Agrícola S. A., em Linhares, estado do Espírito Santo. Adotou-se o delineamento em blocos ao acaso com cinco tratamentos e seis repetições. Os tratamentos, consistiram da aplicação de doses de 25, 50, 75 e 100 g cova-1 de fertilizantes de liberação controlada Basacote P-MAX 6M® no plantio e uma testemunha que foi a fertirrigação por gotejamento. Na fase de produção, os tratamentos consistiram de adubações de cobertura aplicando-se dois fertilizantes de liberação controlada, o Basacote NKMAX 9M® e Duratec Top 14®, aos 3, 6, 9 e 12 meses após plantio. Avaliaram-se no florescimento o diâmetro do caule (DC), a altura de inserção da primeira flor, a altura
da planta (AP), comprimento do pecíolo foliar, número de folhas por planta e porcentagem de covas definidas quanto ao sexo; na fase produtiva avaliou-se o DC, a AP, número de frutos comerciais, massa de fruto, sólidos solúveis e firmeza interna do fruto aos 8, 13 e 17 meses após plantio; a produtividade foi avaliada pela produção acumulada, desde os 8 até os 17 meses. O novo pacote tecnológico é uma alternativa à fertirrigação, podendo ser aplicado fertilizante de liberação
controlada Basacote P-MAX 6M a 25 g cova-1 no plantio, e as fertilizações de cobertura com Basacote NK-MAX 9M® e Duratec Top 14® após 90 dias do plantio.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900