Dimensionamento amostral e determinação do tamanho ótimo de parcelas para avaliação de mudas de berinjela e jiló

Nome: Leonardo Raasch Hell
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/07/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Edilson Romais Schmildt Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriano Alves Fernandes Coorientador
Edilson Romais Schmildt Orientador
José Augusto Teixeira do Amaral Examinador Externo
Omar Schmildt Examinador Interno

Resumo: O número de plantas avaliados em experimentos deve ser uma amostra
representativa da população. Seus dados devem ser confiáveis de modo que permitam alta probabilidade de acerto em experimentos subsequentes. Soma-se a isto o fato da literatura especializada ainda não fornecer respostas sobre o tamanho ótimo de parcela e de amostra para a maioria das culturas agrícolas na fase de mudas. Assim, objetivou-se determinar o dimensionamento de parcelas e de amostra na avaliação de mudas de berinjela e jiló. Para isso, dois experimentos
foram desenvolvidos no município de Colatina - ES, onde ambas as mudas das hortícolas foram produzidas em bandejas de poliestireno expandido contendo 128 células. O primeiro teve como objetivo determinar o tamanho de amostra necessário para a estimação da média de características de qualidade de mudas de berinjela e jiló, aplicados sobre um conjunto de características (número de folhas; área foliar
total; massa de matéria fresca de parte aérea, raízes e total; e, índice de qualidade de Dickson). Foram calculadas medidas de tendência central e de variabilidade, e verificadas a normalidade dos dados amostrais e então calculado o tamanho de amostra por simulação bootstrap. O requerimento do dimensionamento amostral é diferente entre as diferentes características dentro das mudas de berinjela e também de jiló e, diferente também para uma mesma característica entre as duas espécies. O tamanho de amostra para avaliar mudas, para erro de estimação de 10% da média estimada, com grau de confiança de 95%, é de 32 e 26 mudas de berinjela e jiló, respectivamente. O segundo teve como objetivo a determinação do tamanho ótimo de parcela para experimentos envolvendo mudas das solanáceas berinjela e
jiló, aplicados sobre um conjunto de características (altura de parte aérea; diâmetro do caule; número de folhas; área foliar total; massa de matéria seca de parte aérea; massa de matéria seca de raiz; massa de matéria seca total; e índice de qualidade de Dickson). Foram calculadas medidas de tendência central e de variabilidade dos dados amostrais e então calculado o tamanho ótimo da parcela usando o método da
máxima curvatura modificado, com simulação bootstrap. O tamanho ótimo da parcela é diferente para as características avaliadas em mudas de berinjela e jiló. Considerando a avaliação de todas as caraterísticas de parte aérea e radicular, o tamanho ótimo de parcela é de 6 e 5 mudas, para berinjela e jiló, respectivamente.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900