Plantas de cobertura e qualidade do solo na região dos tabuleiros costeiros

Nome: Lucas Rodrigues Nicole
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 23/02/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Fábio Ribeiro Pires Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Diego Lang Burak Examinador Externo
Dione Pereira Cardoso Coorientador
Fábio Ribeiro Pires Orientador
Giovanni de Oliveira Garcia Suplente Externo
Ivoney Gontijo Suplente Interno
Robson Bonomo Coorientador

Resumo: O plantio direto é pouco difundido no Estado do Espírito Santo (ES), todavia, no Norte do Estado. Na região dos tabuleiros costeiros, onde o relevo permite a mecanização, a situação começa a modificar-se. Nesta região, em face da escassez de água nos anos recentes, tem-se observado uma migração de áreas antes cultivadas com mamão e café, sob aspersão via pivô central, para grãos no sistema de plantio direto, particularmente, feijão e milho. Nessas áreas, recém iniciadas no sistema, a formação e a persistência de palhada tem sido uma das maiores limitações. O uso de plantas de cobertura é capaz de melhorar os atributos físicos, químicos e biológicos do solo, tornando um sistema agrícola mais sustentável. O milheto é uma cultura anual de verão cujas características agronômicas e nutricionais possibilitam o seu uso para diversas finalidades, dentre elas a cobertura do solo e formação de palhada. Além disso, apresenta como característica relevante elevada rusticidade, com capacidade de vegetar em regiões com baixíssimas precipitações pluviométricas. No Espírito Santo não há referências ao desta espécie com a finalidade de utilização como plantas de cobertura no plantio direto. Diante do exposto, objetivou-se avaliar a qualidade do solo em função do cultivo de plantas de cobertura e seu potencial para formação de palhada visando à adoção/consolidação do sistema de plantio direto no Norte do ES, com e sem irrigação. O experimento foi conduzido a campo em delineamento experimental de blocos casualizados, em parcelas subdivididas, com quatro repetições. Os tratamentos foram compostos nas parcelas por área irrigada e não irrigada e nas subparcelas por seis plantas de cobertura, sendo quatro cultivares de Pennisetum glaucum (L.) R. Brown (milheto: ADR 300, ADR 500, ADRf 6010 e BRS 1501), uma Canavalia ensiformis (L.) DC. (feijão-de-porco) e uma Brachiaria ruziziensis Germain & Evrard (braquiária). A qualidade fitotécnica foi avaliada pela altura de plantas, área foliar, teor de clorofila, desenvolvimento de raízes, índice de cobertura, produção de fitomassa e taxa de decomposição. A cultivar de milheto ADRf 6010 é a planta mais indicada para formação de palha e cobertura do solo.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900